10 maio 2007

Como lidar com o sofrimento de um aborto?

Traduzido do site http://www.babycenter.com/refcap/pregnancy/pregcomplications/4006.html

É normal sentir choque, sofrimento, depressão, culpa, raiva e um sentimento de falha e vulnerabilidade quando você perde uma gravidez. Os dias, semanas, e até meses após um aborto podem ser muito difíceis e dolorosos - ainda mais se esta foi sua primeira gestação perdida, ou se você planejou a gravidez e pensava que tinha feito tudo "certo". Ou você pode simplesmente se sentir afastada e mal humorada, ou incapaz de se concentrar ou dormir. Se você contou para as pessoas que estava grávida, provavelmente vai se preocupar em anunciar a má notícia e o consolo dos amigos e familiares podem ser difíceis de digerir.

Algumas coisas você deve ter em mente para trabalhar neste período turbulento:

• Entenda que não é sua culpa. Abortamentos e complicações podem acontecer com qualquer mulher. Fale aberta e honestamente com seu parceiro sobre o que aconteceu e como isso está te afetando. Lembre, não existe forma certa ou errada de lidar com uma perda. Aceite os sentimentos como eles são e não se julgue ou ao seu parceiro sobre como você reage.

• Dê-se tempo para curar. Não se pressione para acabar com a tristeza rapidamente. Sua cura será mais completa se você lidar com o luto quando ele chega. Você pode se achar revivendo a dor, especialmente próximo da sua data provável de parto, ou outra data especial. Com o tempo, as coisas vão mudar e você vai se sentir melhor.

• Tire uma folga do trabalho. Mesmo se sentindo fisicamente bem, tirar uns dias de folga do trabalho podem ser úteis. Você precisa de tempo para processar o que aconteceu, e um tempo fora da sua rotina normal vai ajudá-la a aceitar tudo o que você está passando.

• Não espere que o seu parceiro sofra do mesmo jeito que você. Se seu parceiro não parece estar afetado pela perda tão profundamente como você está, entenda que homens e mulheres sofrem de formas diferentes. Enquanto a mulher tende a expressar seus sentimentos e procurar apoio de outros, homens tendem a segurar seus sentimentos internamente e lidam com a perda por si sós. Da mesma forma, homens sentem que precisam cuidar de suas parceiras estando fortes. Então, não interprete erradamente a frieza dele como não ligando para você ou sua perda e não se julgue por não lidar com o sofrimento tão bem como ele. Compartilhe seus sentimentos e necessidades com seu parceiro mas dêem-se um ao outro a liberdade para vivenciar a perda do seu jeito.

• Não se feche para os outros. Embora pareça dolorido falar sobre o assunto, compartilhar sua história vai permitir que você se sinta menos sozinha e vai ajudá-la a se curar. Você pode ficar surpresa de quantas de suas colegas no trabalho, primas, vizinhas e amigas têm suas próprias histórias de perda e cura. Você poderá encontrar compreensão e apoio de pessoas inesperadas - o que pode compensar o fato de algumas pessoas de quem você esperava compreensão não parecerem entender o quanto você está machucada. Alguém que não passou pelo que você passou realmente não pode saber como é. A maoiria das pessoas quer dizer alguma coisa confortante, mas não sabem o que dizer. Tente não tratar isso pessoalmente, se alguém disser algo errado ou não disser nada.

Um comentário:

Anônimo disse...

Eu tambem tivi um abortamento espontaneo, ou melhor, fui submetida a uma curetagem depois de descobrir que meu nenem estava morto hà 08 dias,nunca vou esquecer aquele maldito dia 09 de dezembro de 2006, porem fazer uma coretagem em um hospital publico é muito doloroso pois os medicos tratam a paciente como se elas tivessem provocado o abortamento, e as sequelas são muitas, e hoje quando vai se aproximando a provavel data do que seria meu parto tento não pensar pois nunca tive o apoio do pai da criança.